Casal Aventura

Casal Aventura

24 de março de 2015

Antes de começar a aventurar-se

Antes de começar a aventurar-se

Como já foi dito antes, preparar-se para uma viagem longa é essencial se você quer realizar uma viagem tranquila e se o seu objetivo é realizar um sonho, evitando, ao máximo, sustos e preocupações, aproveitando cada momento apenas para curtir o passeio.

Já é sabido que viagens de moto podem ser realizadas de várias formas, com vários modelos de motos e com uma infinidade de diferenças, diferenças de tempo, de grana, de objetivo, de desgaste físico e mental, de lugares para conhecer, de coisas a fazer, etc. etc. Jorge e Andréa optaram por viajar de forma mais tranquila, menos exaustiva e desgastante, para isso, investem tempo pra se organizar e guardam uma grana, que gastam com roupas, hospedagens legais, alimentação e bebericação, pois o objetivo é se divertir, é curtir as férias anuais, sem passar “perrengues” pelo caminho.

Preparação para colocar as rodas na estrada...

Documentação

Esta parte é muito importante quando se pretende viajar para fora do país. Fazer um seguro que cubra a América Latina é algo que dá certa tranquilidade, pois caso a moto quebre ou ocorra algum acidente, sabemos que tanto moto quanto os viajantes chegarão ao Brasil, por via área ou terrestre, a depender do tipo de seguro e da distância da ocorrência.

Para circular na Argentina é preciso ter a Carta Verde, um seguro obrigatório exigido por lá. Normalmente as empresas de seguros resolvem isso com facilidade e por um preço justo.

Como Jorge iria passar pelo Chile (mesmo que só por um pedacinho dele), verificamos que o país tem nova exigência, uma tal de SOAPEX (Seguro Obligatorio de Accidente Personales para vehiculos motorizados con matricula extranjera, que pode ser adquirido no site https://www.magallanes.cl/venta/Index.aspx, de forma tranquila e segura. O pagamento pode ser feito com cartão de crédito e assim que contabilizado, o site libera a emissão do documento.


Revisão da moto

Toda viagem requer uma boa revisão do meio de locomoção que irá te carregar por quilômetros e quilômetros. Não economize e nem se deixe enganar pela economia do seu mecânico (mais adiante vocês entenderão por que).

Vocês verão que esta viagem teve alguns percalços por conta de uma “economia burra” do mecânico, que não trocou peças solicitadas por Jorge, acreditando estarem em perfeito estado. Peças que quebraram ao longo do caminho e acabaram atrapalhando um pouco a viagem.

Mas não podemos, de forma alguma, reclamar da Strom, temos que lembrar que esta é sua quarta longa aventura, terceira para fora do país e ela tem aguentado bem o tranco, pois em nenhuma outra viagem ela apresentou problemas mecânicos, e olhe que o peso que ela carrega é “bravo”, juntando os viajantes e as malas, deve suportar mais de 200 quilos. Realmente esta moto é valente!!!!




Equipamentos eletrônicos

Testar a máquina fotográfica, gravador, GoPro, GPS, também faz parte da preparação, afinal você não quer perder imagens inesquecíveis.

O GPS usado foi o Garmin velho de guerra e ele não decepcionou. Os mapas feitos no MapSource ficam excelentes e desta vez deram bem menos problema que na viagem do Uruguai.

Jorge pensou em gravar em voz, alguns momentos da viagem, vocês verão nos vídeos que no início ele fez isso, mas com os dias, desistiu da ideia, ideia que será retomada na próxima aventura.

A GoPro tem um cartão de memória de 8G, percebemos que o ideal é, no mínimo, o dobro, pois para fazer boas imagens é preciso qualidade melhor e isto acaba usando mais a memória. Mas aviso: se puder comprar uma câmera com comandos menos manuais, mais “tecnos”, vale a pena investir nisso.


Arrumação das malas

Esta viagem foi atípica, pois cada um viajaria em um momento diferente, mas a bagagem já teria que estar pronta desde o início da viagem. Organizaram de forma que toda roupa necessária para a viagem fossem nas malas traseira e lateral e que Andréa levasse somente seu capacete e sua roupa de motociclista, ou melhor, de garupeira.

Como em viagens anteriores, pediram socorro aos bons sacos a vácuo. Desta vez, compraram sacos menores, sacos de tamanho médio e sem válvula (o ar é retirado se enrolando o saco), o que facilita bem a retirada do ar. Estes sacos ajudam a carregar mais roupas, principalmente as de inverno, que nesta aventura teriam que ser em maior quantidade, pois já sabiam que pegariam temperaturas bem baixas.

Aliás, vale a pena investir em poucas, mas boas, roupas de frio. Comprar segunda pele de qualidade pode ser uma boa saída. Desta vez, o casal também levou roupas 'fleece' que aquecem e diminuem a entrada de vento.

Os viajantes de moto sabem, mas a maioria das pessoas não faz ideia, do quanto é possível colocar dentro destas malas!!!!! Mas é sempre bom repetir: viajar de moto é uma grande forma de treinar o desprendimento material rsrsrsrsrsr

“Percebemos que podemos viver bem e com muito pouco e que não é preciso comprar “lembrancinhas” para levar um lugar contigo. As imagens que ficam em sua mente (e em sua máquina fotográfica), além do que vivenciam em cada momento da viagem, é que te fará lembrar pra sempre de onde esteve” - Andréa


Parceria

Jorge iniciaria a viagem sozinho, até que poucas semanas antes da viagem,  Lucas, um colega de trabalho, se animou em acompanha-lo. Ele iria de moto até São Paulo, onde encontraria Jorge, um dia antes do início da aventura. Tudo combinado e acertado. Porém, nunca terem viajado juntos e não conhecerem o ritmo de viagem um do outro trouxe algumas dificuldades.

Jorge teve que parar por 3 dias por causa de um defeito na moto e de comum acordo decidiram que Lucas continuaria solo. Dali em diante cada um seguiria seu próprio roteiro, em seu próprio ritmo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Seja bem vindo nesta aventura e obrigado por compartilhar conosco!!!