Casal Aventura

Casal Aventura

25 de abril de 2012

Chegando ao Natal Luz


10º. Dia – 27.12.2011

Santana do Livramento – RS a Canela - RS



Saíram de Santana do Livramento por volta das 08h30m, com o objetivo de chegar a Novo Hamburgo, onde ficariam hospedados em hotéis separados.

O primeiro plano era ficar em Gramado ou Canela, mas não conseguiram encontrar lugar bom e em um preço razoável para se hospedar, devido à época do Natal Luz, que lota a cidade e encarece demais as pousadas e hotéis da região, o que não diminui seus visitantes. Os viajantes ficaram desde Montevidéu tentando localizar onde ficar, e conseguiram hotéis a preços acessíveis somente em Novo Hamburgo, a mais de 60 km, o que lhes renderia alguns km a mais para passear e conhecer a região.

Em Gramado teriam companhia, o amigo Sandro Hofer já tinha saído de São Paulo para encontrar os viajantes e participar dos momentos finais da aventura. O que já está virando quase uma tradição!

A viagem continuou tranquila, embora sempre em solo brasileiro ela seja mais tensa e necessite atenção redobrada em virtude da falta de educação para o trânsito dos nossos conterrâneos, o que raramente ocorre nas terras de “los hermanos”, o que devíamos aprender com eles.

Em Vila Nova do Sul, ao pararem para abastecer, os viajantes de moto conheceram Lico, como é chamado um simpático integrante, de Rosário do Sul, do motoclube Irmandade sem Fronteiras (http://www.irmandadesemfronteiras.blogspot.com.br/), com quem conversaram sobre suas aventuras, prometendo se encontrar pelas estradas da vida.

Os aventureiros chegaram a Novo Hamburgo umas 15h, quando Andréa viu que tinha uma ligação da amiga Bárbara Zini no celular. Bárbara é uma amiga-dentista-amiga que escolheu a Bahia como morada, mas é natural de Canela, onde sua família tem casa e aonde veio passar o Natal. Ao retornar a ligação, Bárbara convidou todos os viajantes a ficarem hospedados em sua casa em Canela, mesmo sabendo que a turma era de 06 pessoas não hesitou em manter o convite, explicando que a casa comportaria a todos. O que puderam verificar assim que a conheceram.

Os viajantes foram, então, aos hotéis onde tinham feito reservas e cancelaram suas estadias. Aproveitaram para comer alguma coisa e escolheram o Habbi´s que ficava próximo a estrada que os levariam até Canela.





Saíram de Novo Hamburgo as 15h45m. Uma belíssima serra, repleta de hortênsias por todos os lados, leva os visitantes à Gramado.  Canela fica a cerca de 4km de distância, e a estrada que liga as lindas cidadezinhas também parece fazer parte de um quadro, de tanta beleza.

Chegaram a Canela por volta das 18h. A casa da família Zini é uma casinha típica do sul do Brasil, toda em madeira, que lembra casa de boneca. Ao chegarem ligaram para Sandro, que já estava na cidade, hospedado em uma péssima pousada e que ficou feliz em sabe que também poderia ficar hospedado na casa, um lugar espaçoso, com três quartos de casal, sala, cozinha, uma banheiro que fica quase fora da casa (lembrando os tempos antigos), um pequeno quarto com beliche, sótão e um porão onde o matriarca da família fabricava vinho. Tudo decorado com móveis antigos e fotos da família, o que lhe confere um ar extremamente bucólico e nos leva a uma viagem no tempo e no espaço.

Para aproveitar a única noite em companhia da família, foram jantar no La Famille de Gazon, um rodízio de fondue, onde todos se deliciaram com a variedade e o sabor desta especiaria tão típica.

Depoimento Andréa e Jorge: “Não sabemos nem como agradecer a forma tão carinhosa e tão especial como fomos recebidos não apenas pelas amigas Zini, mas pelos demais familiares com quem tivemos contato. Com certeza, ficar hospedados nesta casa tão especial fez toda a diferença em nossa estadia em Canela/Gramado e não esqueceremos jamais este momento”.


Momentos em Imagens!




Total de Km Rodados: 600
Abastecimento: 30 litros
Hospedagem: Casa da Família Zinni
Melhor hospedagem da viagem!
Uma casa super aconchegante, com ares do sul e recepção maravilhosa de suas proprietárias.

Gasto total (com alimentação): R$ 515,00

3 de abril de 2012

Se despedindo do Uruguai

9º. Dia – 26.12.2011

Colonia del Sacramento – UR 
a Sant´Ana do Livramento – RS


Os viajantes aproveitaram os últimos momentos nesta cidadezinha, tomando café da manhã com o visual do Rio de la Plata, deixando para trás este “mar” que os acompanhou durante boa parte da viagem pelo Uruguai. 



Nesta data atravessariam a fronteira, se despedindo do país vizinho.










Deixaram Colonia del Sacramento por volta das 9h, mas já com saudades e desejo de voltar em breve e com o sentimento que de muito ainda tinham para conhecer deste vilarejo tão especial.


A primeira parada foi em um posto de gasolina, na intersecção entre as rutas 3 e 11, na cidade de San José de Mayo, onde puderam tirar fotos com o Monumento al Motociclistas. O monumento foi inaugurado em 08 de agosto de 2009 e é uma homenagem aos motociclistas.





Sua pedra fundamental foi colocada em 27 de outubro de 2008, data decretada como Dia Nacional do Motociclista, por causa da data de nascimento do Sr. Roberto Cerdeña, motociclista homenageado no monumento elaborado por Alberto Panzardi, que utilizou para sua apenas uma colher de sopa para sua construção.

As estradas repletas de imensas fazendas, com gado de ovelhas, bois e muitos quilômetros de pastagem e muitas árvores, acompanharam os viajantes durante todo o percurso.










Em terras uruguaias a V-Strom fez seu aniversário de 40.000km.





A parada para o almoço foi no Restaurant e Parrilhada El Posto, na cidade de Durazno (pêssego em português). 






Lanches gigantes para a fome também gigante dos aventureiros.


Uma das formas de saber que está chegando à fronteira é apreciar o Rincón (canto) de Tres Cerros, é uma região ao norte do Uruguai, entre o rio Tacuarembó e arroio Cuñapirú, no departamento de Rivera. Esta área deve seu nome aos três cerros em forma de mesa que dominam o horizonte, chamados de Tres Cerros del Cuñapirú, O maior é o Cerro Alpargata, devido a sua vista que é possível de cima. Porém o que mais aparece nos mapas é o Cerro de los Chivos, que tem uma altura de 284 metros. O mediano se chama Cerra del Medio e o menor Cerra Chapéu.


A fronteira entre Brasil e Uruguai constitui um emaranhado de ruas urbanas, chamada de conurbação binacional, denominada Fronteira da Paz, com seus habitantes vivendo de forma harmoniosa e integrada.


A cidade de Rivera foi fundada em 1862, com o nome de Pueblo Ceballos, em memória ao vice-rei espanhol Pedro de Ceballos. Um decreto nacional determinou a criação da cidade em 1867, que mudou de nome para homenagear o general Fructuoso Rivera. Os primeiros moradores foram imigrantes espanhóis, italianos, portugueses e alguns brasileiros que viviam em Santana do Livramento.

A fronteira, assim como no Chuí, é dividida por uma avenida, mas antes de chegar a ela, ainda na estrada, os viajantes passaram pela Aduana para carimbar a saída do país vizinho de seus passaportes.

Decidiram ficar do lado brasileiro, pois foi onde mais rápido localizaram uma hospedagem, mas não sei se fizeram bom negócio, já que o hotel escolhido foi o pior da viagem, com péssimas instalações devido à falta de manutenção, mas o cansaço não deu muitas alternativas.

Ainda precisavam ir às compras e tinham pouco tempo, já que o comércio fronteiriço fecha suas portas por volta das 17h. e chegaram à Santana do Livramento quase 16h. Saíram para visitar as lojas antes do bom banho, com medo de perder a chance que todo turista gosta quando passa pelas fronteiras do país. Como em toda fronteira, encontraram muitas lojas, comércio ambulante e muitas opções, com bons preços. O tempo curto não permitiu muitos gastos, mas aproveitaram para comprar vinhos e outras bebidas, itens de melhor preço e maior facilidade de compra.


Sant´Ana do Livramento também é chamada de Fronteira da paz, porém nasceu de um período de guerras, quando a posse da terra dependia da sorte das armas. Situa-se na fronteira com a cidade de Rivera, no Uruguai. É um dos municípios mais antigos, históricos e de maior extensão territorial do Rio Grande do Sul. Sua origem data de 1810 e está ligada aos acontecimentos contados acima sobre Montevidéu e o Rio da Prata, com a primeira intervenção militar do Brasil Reino, quando tropas do Exercitor Pacificar foram enviadas as fronteiras de Bagé e Livramento. O povoamento de Sant´Ana teve inicio em 1814, quando o Marquês de Alegrete doou as primeiras sesmarias (uma légua de frente por três de fundo) para Belarmina Coelho, João da Costa Leite e Antonio José de Menezes. O acampamento chegou a ser chamado de Cidade de São Diogo e o que deu início ao povoado foi a construção da capela junto ao arroio de Ibirapuitã. Mais tarde, autoridades religiosas construíram outra capela, denominada Nossa Senhora do Livramento, fundando a cidade em 30 de julho de 1823. Em 1857 foi elevada à categoria de município.


Atravessou períodos de prosperidade, mas lentamente a economia foi diminuindo devido ao seu isolamento dos grandes centros econômicos, de sua visão centralista na política, indústria, comércio e sua opção econômica voltada para a agropecuária e comércio, sem ênfase no desenvolvimento industrial. Destaca-se atualmente na pecuária (bovinos e ovinos), produzindo para os principais frigoríficos do Estado, além da produção de arroz e soja e da vitivinicultura.
Em 2009, foi declarada oficialmente pelo governo brasileiro como a cidade símbolo da integração brasileira com os países membros do MERCOSUL.
Depois de andar pelas lojas, comprar o que desejavam, mesmo que com rapidez, voltaram ao hotel, onde tomaram um bom banho para sair em busca de um lugar para comer. Andaram um pouco pela cidade e fizeram algumas tentativas de encontrar um bom restaurante, já que haviam almoçado lanches, pretendiam comer bem. Decidiram por jantar no Restaurante Pampa Grill, na rua do hotel, onde foram atendidos pelo simpático garçom Anderson, um filósofo que fez questão de falar sobre o amor, relacionamentos e de como se mantém casado e apaixonado. Outra figura inesquecível desta aventura.
Foram dormir, exaustos. Lembrando que o país vizinho ia ficando para trás e que deixaria saudades.

A viagem em imagens!



Para saber mais:

Total de Km Rodados: 532
Abastecimento: 36 litros
Hospedagem: Hotel Laçador: Valor da diária: R$ 80,00
Pior hotel da viagem. Limpo, mas mal conservado. Bom para dormir se estiver muito cansado.
Café da manhã e estacionamento. Boa localização.

Gasto total (com alimentação): R$ 350,00