Casal Aventura

Casal Aventura

4 de junho de 2011

Uma parceria de sucesso!!

Uma parceria não é apenas a união de duas ou mais pessoas que vão fazer algo juntas, é, acima de tudo, uma troca.

Esta parceria deu certo porque o envolvimento nesta aventura começou desde muito antes, não apenas da preparação da viagem, mas na construção de uma vida juntos, o que se refletiu na realização deste sonho.

Participar desde a elaboração da viagem é essencial para sentir-se parte dela e foi o que ocorreu: muitas conversas, buscas na internet, troca de informações, dicas, imagens encontradas, stress, discussões. Trocar expectativas, receios, idéias foi fundamental para o sucesso desta empreitada.

Durante a viagem, usar o comunicador foi essencial e especial, pois possibilitou falar das experiências, do que era visto e sentido durante o caminho, avisar sobre o que era percebido por um ou por outro, como forma de compartilhar toda a viagem, e também ajudou na troca de informações sobre localização e a direção a seguir, principalmente ao chegar nas cidades onde se hospedariam.

O “não falar” também foi um dos maiores exemplos de união, pois em certos momentos palavras estragariam o encanto, ou prejudicariam a viagem.

COMPARTILHAR (tomar parte em, partilhar com): acreditamos que esta seja a palavra que melhor pode resumir o sentimento que envolveu esta parceria, foi um compartilhar, um compartilhar sonhos, alegrias, esperança e também dificuldades e superações.

Depois desta viagem, com certeza estamos diferentes do que quando saímos para esta aventura e, portanto, nosso relacionamento também não poderá ser mais o mesmo. A realização deste sonho nos mostrou que é possível não apenas sonhar, mas acima de tudo, compartilhar sua realização.

Jorge e Andréa



2 de junho de 2011

Dicas interessantes



Neste capítulo iremos dividir com os nossos amigos, seguidores, desconhecidos, algumas dicas interessantes que vivenciamos, que aprendemos e que poderão ser úteis para os que vão iniciar este tipo de viagem, ou outras tantas possíveis neste mundo repleto de muitos lugares incríveis para conhecer.

·         A viagem começa quando você toma a decisão de fazê-la. Todos os passos que vão se seguir a partir desta decisão já fazem parte da aventura, mesmo que você não se dê conta na hora. Desde os passos mais simples, como decidir para onde ir, pesquisar qual é a melhor época do ano para ir para lá (apesar de que para muitos não é quando é bom de ir pra lá e sim quando você vai poder ir, como no meu caso), marcar férias no trabalho, guardar uma grana para a empreitada, pesquisar qual é a moto certa para usar neste desafio, acessórios necessários para tanto, e por aí vai uma longa lista de coisas a se definir, mas uma coisa é certa, a viagem começou!

·         Tão gostoso quanto viajar, é se preparar para a viagem, então, se você já se decidiu para onde ir e quando ir, saboreie todos os momentos da preparação, como definir o roteiro (esse é o mais dificil e o mais legal), o que vai levar, o que tem de fazer na motoca, preparar mapas, programar o GPS (se você não tem, não se preocupe, não é fundamental, mas ajuda), providenciar roupas adequadas, e por aí vai...

·         Viajar pela América do Sul é barato! Sem dúvida nenhuma, a parte mais cara da viagem é enquanto você está rodando no Brasil. Portanto, saia do Brasil o quanto antes! Em qualquer outro país sulamericano a gasolina é boa e barata, com hospedagem e alimentação você também gasta pouco, desde que abra mão de luxos desnecessários. Na minha viagem gastei pouco mais da metade da verba que reservei para ela, isso sem me privar de boas refeições, boas e limpas pousadas para pernoite e fazer todos os passeios possíveis nas cidades turísticas onde paramos.

·         Cerque-se de todos os cuidados necessários para não sofrer perrengues durante a viagem, pois assim você viaja muito mais tranquilo e aproveita muito mais a viagem. Exemplos:

-Revisão da moto: não adianta sair para uma viagem de 13.000 kms sabendo que seus pneus vão durar no maximo mais 5.000kms. Troque logo eles por novos e guarde os usados para usar depois. O mesmo se aplica para todas as peças de desgaste visível, como pastilhas de freio, filtros, velas, kit coroa-corrente-pinhão. Vá com tudo novo e pronto!
Dependendo da moto, talvez não haja peças para ela no país visitado, e isso pode ser um problema sério.
Na viagem para o Atacama eu troquei todas estas peças citadas acima por novas, apesar dos protestos do meu mecânico Augusto, que me deu sua palavra de que o kit de relação original aguentaria a viagem, mas não quis arriscar. De qualquer forma, quando eu voltasse teria de trocar estas peças mesmo, então troquei tudo e guardei as usadas para usar depois, aqui por perto...

-Levei comigo algumas peças. Levei manetes e cabos (acelerador e embreagem), coisa que quebra em qualquer tombinho bobo. Eram peças leves e não ocupariam muito espaço nas malas.

-Levei ferramentas. Alem do kit de ferramentas original da moto, levei mais algumas que julguei necessárias para fazer algum conserto pequeno. Também levei um kit para conserto do pneu em caso de furo. Este é obrigatório de levar em qualquer viagem, diga-se de passagem.

-Documentos: levei comigo todos os documentos possíveis de serem pedidos pelos guardas ou aduanas. Passaporte, carteira de motorista do Brasil, permissão internacional para dirigir (PID), autorização da financeira (a moto estava alienada), seguro Carta Verde, carteirinha e telefones de contato da seguradora da moto, contatos do nosso convênio médico naqueles países e mais um monte de xerox disso tudo. Ah! E não deixe de anotar (em papel ou no celular) os telefones de emergência, caso seja necessário alguém contatar, nós colocamos no nosso celular dois telefones AA(nome), este código é usado em qualquer lugar no mundo para indicar contatos para emergência.

Vale a pena citar aqui que graças a Deus não precisei usar nenhuma ferramenta, nenhuma peça, e de documentos só usei o passaporte e o documento comum da moto. Carreguei tudo aquilo à toa, mas a tranquilidade de saber que eu não seria impedido de entrar na Argentina ou no Chile por causa de um simples pedaço de papel que estava faltando, ou ficando parado na estrada no meio do deserto ou no frio e falta de ar da Cordilheira dos Andes por falta de um cabo de acelerador que resolveu quebrar justo ali; tudo isso me faz ter a certeza que vale a pena se preparar corretamente e se for pecar, que seja por excesso. Leve tudo e fique tranquilo. Se precisar, vai estar lá. Se não precisar, melhor ainda. Guarde pra próxima viagem...

-Mapas com o roteiro diário. Mesmo que você faça uso de um gps, leve um mapa para cada dia da viagem mostrando as estradas que você irá seguir. Também é bom fazer um mapa da cidade em que você vai pernoitar (em zoom) e melhor ainda se estiver mostrando onde fica o hotel que você previamente pesquisou na internet, pra não ficar completamente perdido quando chegar à cidade de pernoite. Como já disse antes, um gps pode te ajudar bastante nessas horas, mas mesmo assim leve os mapas. Eles não dão pau, nem se perdem!

-Vestuário correto é muito importante!
Aprendi nesta viagem que é extremamente importante estar preparado para todos os climas que se vai enfrentar. Fazer uma pesquisa do clima nas regiões a serem percorridas, levando em consideração a estação do ano em que a viagem será realizada, pode te ajudar a escolher o vestuário correto e evitar que voce carregue um monte de coisas que não vai usar, economizando peso e espaço precioso nas malas. Leve poucas roupas, mas boas. Para o Atacama levamos um monte de agasalhos que não usamos, porém faltou uma roupa mais leve e confortável para andar de moto no calor (com as proteções necessárias).
Andar debaixo do sol na região do Chaco Argentino usando roupa de cordura, ninguém merece!

-Viaje devagar! Mais uma vez a pesquisa se mostra fundamental antes de iniciar a viagem. Se você sabe que vai passar por uma região muito bonita num determinado dia da viagem, ou vai atravessar a cordilheira, programe-se para rodar pouco neste dia (coisa de uns 400 km, no maximo) para que você possa ir devagar e apreciar a paisagem, fazer inúmeras paradas para tirar fotos e contemplar a beleza do lugar.
Se estiver na neura de rodar 750km justamente naquele dia em que você vai passar por lugares fantásticos, terá de "enrolar o cabo" para chegar ao destino do dia e a concentração na estrada fará com que você nem perceba a beleza do lugar. Desfrute do passeio!

-Converse com uma ou mais pessoas que já fizeram esta mesma viagem! Procure na internet e faça contato com alguém que já fez uma viagem de moto para o mesmo destino que o seu. Peça dicas sobre o melhor roteiro a seguir, hotéis, restaurantes, cuidados a se tomar, passeios a se fazer nas cidades, etc...
Eu tive a sorte de encontrar amigos motociclistas que me deram um monte de dicas preciosas e que me levaram a fazer uma viagem muito melhor do que aquela que eu teria feito sem a ajuda deles. Isso sem falar do apoio e das palavras de incentivo na realização da viagem dos sonhos, que só quem já fez uma viagem de moto dessas pode dizer.

Bem, acho que estas são as dicas que eu queria passar para todos que estejam acompanhando o blog. Espero que ajudem!

Com a palavra o motociclista: Jorge

Sempre fui um apaixonado por motos. Fazer passeios e até pequenas viagens sempre foi um grande prazer em minha vida. E à medida que a cilindrada da moto ia aumentando, estes passeios e viagens também aumentavam.

Com estas viagens que fiz fui adquirindo experiência, não apenas no sentido da pilotagem (visto que saber pilotar uma moto muito bem é um pressuposto fundamental para querer viajar de moto), mas no sentido de saber que é necessário escolher a moto certa para o uso que você quer fazer dela, encontrar seu próprio ritmo de viagem como velocidade de cruzeiro agradável, distância das paradas para descanso, distância total a ser rodada naquele determinado dia de viagem, o que levar, o que vestir, e por aí vai...

E como bom motociclista que sou (na minha propria opinião, claro, rs), o desejo de fazer aventuras cada vez maiores e mais desafiadoras era como uma evolução natural da espécie (ou você conhece algum “motociclista” que sonhe em viajar cada vez menos e para lugares mais próximos???)

Até que num belo dia encontrei um site na internet com um monte de “relatos” de vários motociclistas que ali contavam suas viagens, a maioria internacionais, alguns mais detalhados que outros, alguns com mais fotos que outros, mas com certeza todos eram fantásticos. Aquilo bateu na minha mente como uma droga irresistível e viciante. Eu não conseguia parar de ler aquelas histórias e ver aquelas fotos maravilhosas de lugares e paisagens surreais. Sentia-me como se tivesse acabado de tomar a pílula vermelha do Matrix! Um novo mundo de aventuras se abria para mim!...

Então pensei: por que não fazer uma grande viagem, uma viagem por outros países, saindo daqui, da porta da minha casa e retornando até a mesma?
Acho que neste momento o projeto Atacama 2010 teve início!

No começo ele se chamava projeto Machu Picchu 2010, mas como já foi explicado no inicio deste blog, por diversos fatores a viagem que no início era pra ser para Machu Picchu acabou sendo para o Atacama. Diga-se de passagem: uma decisão acertada. Mas não vou adentrar neste assunto, pois isso já foi explicado nos preparativos para a viagem, láááááá atrás...

Viajar é muito bom. Viajar de moto é muito melhor. Viajar de moto pela America do Sul então foi algo tão sensacional que vai ficar na minha lembrança para o resto da vida, com certeza.

E a vontade de começar a preparar a próxima viagem é inevitável.

Falando nisso, preciso parar de escrever agora porque tenho um assunto pendente a resolver. Um tal de Macchu Picchu...