Casal Aventura

Casal Aventura

27 de novembro de 2010

Arrumando as malas!!!

A arrumação das malas é uma parte essencial, por vários motivos: primeiro porque dela depende você conseguir levar tudo que deseja (e realmente precisa); segundo pois a divisão de peso é importante para a estabilidade da moto; terceiro porque os espaços precisam ser utilizados de maneira a permitir que você traga "lembrancinhas" caso as encontre e esta parte é mais importante para a ala feminina da viagem.

O primeiro passo é listar o que levar, quais os itens essenciais, a quantidade ideal (sempre lembrando que você está de moto e que, neste caso, o ideal é bem menos que o "normal"), separando o que é de um e de outro. Colocar tudo em cima de uma cama é uma boa opção para visualizar e perceber o que de fato é prioridade, começando por ela a arrumação.
Sacos que permitem a retirada do ar podem ajudar, mesmo que você não utilize o aspirador (até porque não podemos contar com ter acesso a um). Sacos zip são ótimos para carregar documentos, pois os mantém secos; pode-se usá-los também para carregar itens líquidos, isso pode evitar que suas roupas se sujem caso algo vaze. Jorge e Andréa decidiram colocar toda a bagagem em um saco plástico grande, evitando que molhem caso entre água de chuva nas malas laterais.
Usar pequenas embalagens de produtos de higiene pessoal é essencial e colocá-los em necessaries também compactas é melhor que em uma grande, pois fica mais fácil colocá-las em espaços vazios entre as peças de roupa.

Pense sempre em arrumar os itens mais importantes em locais de fácil acesso; pode parecer uma mera bobagem dar esta dica, mas imagine precisar de lenços umedecidos para uma emergência e eles estarem no fundo da mala! Ou o Kit de primeiros socorros! Depois de arrumadas, fica mais difícil refazer as bagagens. Enfim, malas prontas, agora é contar as horas para o inicio da "aventura".


Depoimento Jorge:
"Arrumar as malas foi mais ou menos como colocar um búfalo dentro de de uma caixa de sapatos. Na verdade, tres caixas de sapato. Uma de cada lado e uma sobre a traseira.
Os sacos VacBag (aqueles que vc pode tirar o ar de dentro com um aspirador de pó ou sentando sobre ele, o que foi o caso) foram essenciais para acomodar uma grande quantidade de roupas de frio num pequeno espaço. Concentrei o maior peso das peças sobressalentes e tranqueiras em geral na mala traseira, e as ferramentas sob o banco.
Achei que o peso ficou bem distribuído. Durante a viagem terei de ficar atento ao comportamento da moto. No fim das contas, conseguimos levar tudo o que tínhamos programado. Agora é pau na máquina!!!!  hehehehe..."

Depoimento Andréa:
"Bem, esta fala de que estamos levando tudo é um comentário machista hehehehe. Para nós, mulheres, levar "tudo" é levar quase nada, mas quem viaja de moto tem que se acostumar a uma sandália rasteira, algumas camisetas e um tênis... é difícil, mas valerá a pena!!! Ainda bem que consegui um espacinho para um perfuminho (mini) e um hidratante, afinal vou para o Deserto, uma secura danada! Brincadeiras a parte, realmente conseguimos colocar tudo que listamos e isto mostra nossa organização rsrsrsrsr Agora é torcer para conseguir colocar "o mesmo tudo" na volta!!!!!!!!"

23 de novembro de 2010

Preparando a Motoca

Uma das fases mais importantes da preparação de uma viagem, seja ela de moto, de carro, de avião ou navio, ou mesmo de bicicleta ou a pé, é cuidar do meio de locomoção!!! É fundamental uma boa revisão, a troca de peças que estejam desgastadas ou em tempo de reposição, por isso, Jorge teve todo cuidado em verificar quais as peças e os ajustes necessários para evitar contra-tempos durante a viagem.

Além das peças a serem trocadas antes da viagem, Jorge também se preocupou em levar aquelas peças sobressalentes (já descritas em outra postagem), para o caso de ser necessária a troca durante o percurso. Nesta hora, vale agradecer ao Guimarães, da Guimarães Motos, que cedeu, em caráter de consignação, muitos destes itens.



A moto foi colocada na revisão em 16.11, Augusto foi o responsável pela troca das peças, pela preparação da "máquina" para encarar a viagem.
 





Depoimento Jorge:

"Moto revisada, rolamentos engraxados, peças substituídas, tudo regulado, agora é hora de fechar as malas e botar o pé, digo, a roda na estrada e ganhar o mundo!!!
Só falta chegar a bendita da Carta Verde da seguradora. Aliás, fica aqui a dica: não deixe isso para a última hora. É garantia de dor de cabeça. Estou pedindo ela para o corretor há mais de 1 mes, e é claro que ela só vai chegar aos 44min. do segundo tempo...    Eita coisinha embassada de sair...
A boa notícia é que ela custou muito mais barato do que eu imaginava. Fiz pela Porto Seguro pois a moto já está assegurada por ela. Talvez por isso tenha saído barato. Mai demora, viu?!?...  rs"

8 de novembro de 2010

Roteiro


Finalmente, o ROTEIRO!

Elaborar um roteiro de viagem é algo que requer muito trabalho, precisa se aliar tempo hábil, boas estradas e belas paisagens, e um mínimo de infra-estrutura, buscando-se evitar transtornos indesejáveis, mesmo quando o objetivo é "aventurar-se".

Neste momento surge um fator determinante: conversar com moto-aventureiros experientes e que já fizeram esta viagem. Jorge conheceu alguns que lhe ajudaram muito a chegar neste roteiro final, entre os mais "procurados" estão Chinaf (MG) e Laurindo (BA), motociclistas que, além de "viajados", estão sempre prontos a ajudar, a dar boas dicas, a compartilhar suas experiências e, mais importante, prontos a incentivar a realização desta aventura.


Jorge sairá sozinho de moto de Lauro de Freitas-BA em direção a São Paulo-SP, onde ficará aguardando a chegada de Andréa, que irá de avião dias depois.

A seguir temos o roteiro detalhado:
28/11 = 1º dia: Lauro de Freitas BA - Governador Valadares MG (Jorge viajando sozinho pra SP)
29/11 = 2º dia: Governador Valadares - São Paulo SP
30/11 = São Paulo
01/12 = São Paulo
02/12 = São Paulo
03/12 = São Paulo (chegada da Andréa a SP)
04/12 = 3º dia: São Paulo SP - Foz do Iguaçu PR (aqui começa mesmo a grande aventura!)
05/12 = 4º dia: Foz do Iguaçu PR - Corrientes AR
06/12 = 5º dia: Corrientes AR - Santiago Del Estero AR
07/12 = 6º dia: Santiago Del Estero AR - Salta AR
08/12 = 7º dia: Salta AR - Purmamarca AR
09/12 = 8º dia: Purmamarca AR - San Pedro de Atacama CL (Travessia do Paso de Jama)
10/12 = 9º dia: San Pedro de Atacama CL (passeios)
11/12 = 10º dia: San Pedro de Atacama CL (muitos passeios)
12/12 = 11º dia: San Pedro de Atacama CL (+ passeios e se preparando para a volta)
13/12 = 12º dia: San Pedro de Atacama CL - Antofagasta CL
14/12 = 13º dia: Antofagasta CL - Copiapó CL
15/12 = 14º dia: Copiapó CL - Fiambalá AR (travessia do Paso San Francisco)
16/12 = 15º dia: Fiambalá AR - San Fernando Del Valle de Catamarca AR
17/12 = 16º dia: S.F.V.Catamarca AR - Santiago Del Estero AR
18/12 = 17º dia: Santiago Del Estero AR - Corrientes AR
19/12 = 18º dia: ???
20/12 = 19º dia: Corrientes AR - Foz do Iguaçu PR (de volta ao Brasil!)
21/12 = 20º dia: Foz do Iguaçu (passeios)
22/12 = 21º dia: Foz do Iguaçu PR - Curitiba PR
23/12 = 22º dia: Curitiba PR - São Paulo SP

Depoimento Jorge:
"Entre Copiapó e Corrientes ficaremos 1 dia parados em alguma cidade para descansar. Não ficou determinado qual seria esta cidade, mas quando encontrarmos uma que valha a pena conhecer melhor, ficaremos nela. Se estivermos atrasados em relação ao roteiro, faremos de Foz a SP num único dia na volta. A partir de São Paulo serão 14 dias rodando e 5 de parada para descanso e passeios. É claro que durante a viagem esses planos podem mudar, mas a princípio esse é o roteiro que tentaremos praticar. Queremos chegar de volta a SP no máximo até 23/12 para passar o Natal com os familiares, voltando para casa dia 28/12. Talvez a moto fique em SP e eu volte de avião com a Andréa. deixando para ir buscá-la num próximo feriado prolongado."

Depoimento Andréa:
"Fiquei responsável em pesquisar onde ficar em cada cidade e em montar o MapSource, mas de tanto olhar, de tanto mudar, estou ficando "craque", pelo menos em viagens virtuais rsrsrsrsrsr... posso até ser guia turística sem nem ter viajado ainda hehehehe."

Roteiro finalizado, embora seja possível mudanças durante o percurso de acordo com necessidades que surjam no decorrer da viagem, agora vamos falar dos últimos preparativos da motoca.

26 de outubro de 2010

Listas, intermináveis listas!!!

Neste momento da preparação se fez necessária a elaboração daquelas listas intermináveis, sempre visando "una viaje" com menos imprevistos possíveis e com maior tranquilidade para que o casal não esquecesse nada que pudesse transformar a aventura em desventura.

Depoimento Andréa: "No início achei uma bobagem tantas listas, com o tempo e as leituras, percebi serem essenciais para o bom andamento da viagem, já que podemos, entre tantas informações e a ansiedade de um momento como este, esquecer coisas importantes... já estou fazendo a minha de "coisinhas" a levar".

A lista principal, da Rota a ser utilizada, ainda encontra-se em fase final de elaboração. Ainda estão acontecendo tantas mudanças ao longo destes preparativos, que algumas alterações estão sendo feitas no trajeto inicial, mas em breve, o roteiro será postado.

Com a palavra o "homem das listas": Jorge.

Lista de documentos a levar (alguns a serem providenciados):
ü  RG e CPF
ü  Passaporte (não é obrigatório, mas facilita as coisas nas Aduanas)
ü  Carteirinha do convenio medico (onde será contratado seguro saúde)
ü  Documento da moto
ü  Seguro Carta Verde (obrigatório)
ü  PID (Permissão Internacional para Dirigir)
ü  Autorização da financeira
Um monte de Xerox de tudo isso...

Lista de revisão da moto, peças a serem substituídas e peças sobressalentes:
Aproveitando a revisão de 12.000 km, a motoca vai para o estaleiro para dar uma geral caprichada, engraxar a caixa de direção, os rolamentos de roda, re-aperto geral, etc.
Pretendo iniciar a viagem com algumas peças 0 km, como pneus, coroa-corrente-pinhão, pastilhas de freio dos 03 discos,  filtros de óleo e de ar.
Levo comigo: Manete e cabo de acelerador, manete e cabo de embreagem, lâmpadas de farol  e de pisca, um pisca completo, velas e retentores de bengala. Tomara que não precise usar nada disso, mas se precisar é melhor tê-los comigo.
Quanto às ferramentas, levo chaves suficientes para desmontar praticamente a moto toda, o que não significa que sejam muitas. Basicamente é o kit original da moto e mais alguns soquetes e uma chave catraca, um alicate e uma chave de boca regulável.
Para o caso de um pneu furado terei 02 opções de conserto: 02 latas de TyreRepair, aquelas latas que “prometem” tapar o furo e encher o pneu. Nunca usei, mas dizem que não é 100% confiável. De qualquer forma, precisaria parar no primeiro borracheiro que encontrar para fazer um remendo de verdade. E é por isso que darei preferência para a segunda opção: comprei aquelas ferramentas que o borracheiro usa para consertar pneus sem câmera, conhecidas como “tarugo”.  Como o pneu da Strom também é sem câmera, acho que dará certo.  Consertar o pneu com o tarugo vai ser fácil... Quero ver mesmo é encher ele com a bomba de bicicleta, que também vai...  rsrsrsrsrs.   Depois eu lhes digo se deu certo...


22 de outubro de 2010

A nova "Grande Viagem"

Já que as condições para fazer a viagem para Machu Picchu não eram as mais propícias este ano, Jorge resolveu partir para o plano B.  B de Atacama!!!  (heim?!?)

Uma das viagens que ele também sonhava realizar de moto era para o Deserto do Atacama,  começou, então, a pesquisar sobre este novo destino, dando início ao planejamento desta nova grande viagem.

Depoimento de Jorge: "Já lí inúmeros relatos de viagens para este lugar fantástico, e outros tantos em que passar pelo deserto era apenas um caminho para se chegar a outros destinos, como Machu Picchu ou o Salar de Uyuni, na Bolivia.
Assim que o trabalho de pesquisa começou já percebi que esta era uma decisão acertada. Já que a viagem seria feita solo, ou seja, sem a companhia de outros motociclistas e com a esposa na garupa, o melhor a fazer era "pegar leve". Não que esta viagem seja muito mais fácil do que a outra, mas me pareceu que viajar pela Argentina e Chile seria mais "tranquilo" do que encarar a Bolivia logo na primeira viagem internacional.
Alem disso, poderíamos planejar a viagem de forma que estaríamos de volta a São Paulo às vésperas do Natal, podendo passar esta data tão especial junto de nossas familias e matando as saudades antes de regressarmos para casa."

Depoimento Andréa: "Não vou mentir que foi um alívio... estava preocupada em viajar pela Bolívia, todos os relatos levavam a aventuras demais para uma primeira viagem, confesso que não estava animada. Com a mudança do destino comecei a me envolver de fato nesta aventura... fiquei com a parte de Comunicação rsrsrsrsrsrsrsr e estou super empolgada, embora as pessoas digam que sou "louca" hehehehehe", só ainda não sei onde vou carregar minhas roupas e as lembrancinhas da viagem hehehehehehehehe E também tinha as festas com a família, minha irmã chegando de viagem, a outra querendo a festa em sua casa nova, tudo estava se encaixando e estaríamos em Sampa para o Natal, afinal o universo conspira a nosso favor quando estamos no caminho de nossos sonhos".

Então estava decidido: o projeto "Salvador-Atacama 2010" tinha início!

A partir daí foi um tal de preparar listas que não acabavam mais:
-lista das estradas e cidades por onde iriam passar (ou seja, definir ROTEIRO),
-lista de documentos a levar,
-lista de documentos a providenciar,
-lista de revisão da moto,
-lista de acessórios a serem colocados na moto,
-lista de peças a serem substituídas na moto,
-lista de peças a serem levavas sobressalentes, no caso de quebra,
-lista de ferramentas para a moto,
-lista de "tranqueiras" necessárias, como reparo de pneu, corda, silver tape, arame, etc,
-lista de remédios para montar um kit "de sobrevivência nas alturas",
-lista de vestuário e acessórios pessoais, como jaquetas e calças de cordura, luvas, 2ª pele, etc,
-lista do planejamento diário da viagem, com kms e previsão de despesas com combustível, alimentação e hospedagem,
-lista dos contatos que deveriam ser feitos (seguradora, assist.médica, financeira, operadora de celular...),
-lista de assuntos "aleatórios", relacionados à divulgação, como montar blog, criar um logo, fazer adesivos do logo, etc,
-lista de listas, pra não esquecer de nenhuma delas!!!

Agora só faltava colocar "mãos a obra" e começar os preparativos, já que toda viagem deste porte requer uma boa dose de organização e praparação, inclusive a física e psicológica.

Da psicológica, a Andréa ficou de cuidar rsrsrsr, e para a física, ambos decidiram retomar algo que a anos não faziam: Academia!
Outro tipo de preparação é a realização de viagens rápidas, do tipo bate-volta, que permitam treinar diante da quantidade de kms que serão rodados nos dias de aventura e também testar os equipamentos instalados na moto, assim como o vestuário.

13 de outubro de 2010

A Grande Viagem!

Meados de 2009, Jorge começa a sonhar com a maior de todas as aventuras: IR DE MOTO À MACHU-PICHU, no Peru.

Em Julho de 2009, inicia a jornada em busca de informações, usando a rede como parceira, começa a participar do site: Mochileiros.com, cujo objetivo é unir os aventureiros de plantão, para que possam compartilhar experiências, expor dúvidas, trocar idéias, informações e dicas, enfim, sonhar e realizar juntos. 

Jorge abre um tópico no site procurando outros motociclistas que estivessem interessados em acompanhá-lo nesta aventura e pede àqueles que já realizaram suas viagens que colaborem com todo tipo de informação que possa ser útil para o planejamento da viagem. Jorge também inicia um novo hobby : ler!!! Começa a ler vários livros sobre grandes viagens de moto pela América do Sul. Surgem pessoas importantes, que dão dicas incríveis e que irão fazer parte de toda preparação.
  
Depoimento Andréa: “Leiam o depoimento de Jorge e vocês entenderão o meu PÂNICO com a idéia... se lerem os livros e blogs então....”

Depoimento Jorge:
"Depois de ler vários relatos em sites de motociclismo de pessoas que viajaram para destinos surreais como Machu Picchu (Peru), Ushuaia (Argentina) e deserto do Atacama (Chile), decidi que faria uma viagem internacional também, pois tinha ficado maravilhado com os lugares por onde passaria e com os desafios de superação pessoal e logistica que envolvem uma aventura desse porte.
Não tive êxito em encontrar um companheiro motociclista para a viagem, apesar de aparecerem vários interessados, porque cada um tinha um motivo diferente que os impedia, como época de férias no trabalho, necessidade de trocar de moto, etc...  mas encontrei pessoas dispostas a colaborar com informações e dicas fundamentais para que o planejamento fosse realizado.
E aqui vai um agracedimento especial ao meu amigo ChinaF que ajudou demais com toda a experiência acumulada em suas (várias) viagens pela América do Sul a bordo de sua incansável Faser 250!!!
A princípio o destino escolhido foi Machu Picchu, no Peru, berço da civilização Inca, e então se seguiu um árduo trabalho de pesquisa sobre os caminhos possíveis (e alguns impossíveis) para escolha de um roteiro de viagem. Depois de ler muitos relatos de quem fez esta viagem ficou claro que não seria nada fácil chegar à cidade sagrada dos Incas. O caminho mais curto, a partir de Salvador, na Bahia, seria seguir para o oeste em direção a Brasilia, Cuiabá, saindo do Brasil por Cáceres e atravessando a Bolivia por Santa Cruz de la Sierra, Cochabamba, La Paz e adentrando no Peru pelo sul do lago Titicaca, rumando então para o norte em direção a Cuzco, onde ficaria hospedado. A partir daí chega-se em Machu Pucchu de trem numa viagem de poucas horas.
Existe a opção de seguir pelo noroeste do Brasil, via Acre, atravessando uma boa parte da floresta Amazônica brasileira e peruana, contornando a Bolívia sem adentrar neste conturbado país, e retornando pelo sul, via Chile e norte da Argentina, caminho este mais utilizado pelos motociclistas, mas para esta viagem seriam necessarios mais de 45 dias e eu não dispunha de todo esse tempo.
Resolvi então que o roteiro seria ir e voltar pela Bolívia mesmo, país com cultura e paisagens fantásticas.
Mas quanto mais eu me informava a respeito das estradas bolivianas, mais difíceis elas me pareciam. A parte mais complicada era logo no início, assim que entrava na Bolívia. A distância entre a divisa com o Brasil e a cidade de Santa Cruz de la Sierra é de aproximadamente 700 kms, dos quais 450 kms são de estrada de terra batida.
Até aí, tudo bem. Mas o problema é que quando chove esta estrada fica impraticável até para veículos 4X4, além de ter alguns piscinões de areia fofa que não combinam nem um pouco com moto grande e pesada. Aliás, areia fofa não combina com moto nenhuma.
E como eu não sou nenhum piloto de Rali Paris-Dakar, e a época do ano em que a viagem aconteceria coincide com o inicio da temporada de chuvas na região, cheguei à brilhante conclusão de que iria dar merda!
Ah, esqueci de mencionar que esta região de fronteira entre o Brasil e a Bolivia é também a principal rota do narcotráfico sulamericano, e a corrupção do exército boliviano também não colabora muito com os viajantes em geral, especialmente com aqueles que chegam com motos grandes e novinhas...  

E agora? O que fazer? 
Desistir da viagem? :(

Nem a pau!!! :)

Apenas adiá-la! Informações vindas de lá dizem que uma estrada que liga Corumbá-MS a Sta.Cruz de La Sierra está sendo construída e deve estar pronta em 2011 (era pra ser em 2010, mas sabem como é, né...). Esta estrada tem como objetivo facilitar o transporte rodoviário entre os dois países.
Existe também a possibilidade de eu ter um amigo do meu motoclube me acompanhando, e isso realmente me deixaria muito feliz, além da viagem ficar mais segura, com outra moto junto.
Fica então o projeto Machu Pichu adiado para dezembro de 2011.

Neste momento você que está lendo este texto deve estar pensando:
"mas que diabos! Depois de eu ler pacientemente todo este texto o cara simplesmente diz que não vai mais? Por que então ele não vai pra p... q... p....???"

Muita calma nessa hora! Não ir para M.Picchu este ano não significa que não irei a lugar algum..." :):):)

Você pode conhecer mais sobre esta história acessando o link Salvador-Machu Pichu de MOTO, na sessão Links Interessantes.

Continua...

9 de outubro de 2010

Viajando "solo"

Em 2003, como já contado, adquiriram sua primeira moto Custom, a Shadow,  e no fim do ano de 2004 decidiram realizar uma viagem mais distante, sem ser com o Moto Clube; escolheram Arraial D´ajuda como destino. Esta viagem, de aproximadamente 1400 Km, foi realizada em duas etapas na ida, na companhia de amigos "não-motociclistas", com parada em Itacaré, onde ficaram por dois dias. Seguiram, então, sozinhos, rumo à Arraial, era a primeira viagem "solo", que transcorreu sem problemas ou dificuldades.

A volta, porém, realizada de uma vez, foi cansativa, levando quase 12 horas... iniciantes em longas viagens, sofreram com a falta de paradas adequadas e uma programação que diminuisse as dores, o cansaço e o mau-estar causados por um banco ruim e caminhos nem tão agradáveis. Mas valeu a pena... começava a construção de um sonho maior e mais distante!!!

Depoimento Andréa: "A ida foi maravilhosa, super-tranquila e divertida, fomos com "carro de apoio", com minha irmã e cunhado, fizemos várias paradas e nos sentimos aventureiros, já que não conhecíamos o caminho, era a primeira viagem longa na Bahia para os quatro, desde nossa chegada. Em Itacaré encontramos outros amigos e tivemos dias ótimos, fizemos trilhas e conhecemos lugares lindos! A viagem a Arrail, em si, foi EXCELENTE, conhecemos Porto Seguro, Sta Cruz Cabrália, pontos turísticos do Descobrimento, indico a TODOS realizarem esta viagem. A volta é que foi díficil, sentimos o peso de um banco HORRÍVEL, que meu causou dores no corpo todo. Fizemos paradas erradas e não nos preocupamos com o total de Kms a serem rodados, erros de principiante mesmo. Voltamos pelo Ferry-Boat que liga a Ilha de Itaparica a Salvador, achei, por um momento, que tería que pegar o ônibus coletivo para chegar de Salvador a Lauro de Freitas, depois que desci da moto, achava que não ia mais conseguir subir nela hehehehe. A parte boa: chegamos bem e felizes com nossa primeira "grande" viagem sozinhos."

Em 2007, o casal começou a pensar em outra aventura, ainda maior, tinham o sonho de ir de moto a São Paulo. Programaram a viagem para o fim do ano, poderiam passear e, ainda, comemorar as Festas de Fim de Ano junto à família, porém Andréa começou a trabalhar em Outubro e, infelizmente, não pôde tirar férias. Mas o sonho não foi abandonado e ambos combinaram que Jorge iria sozinho. Em 16/12/2007 Jorge inicia a viagem rumo a São Paulo, em cima de uma Marauder, voltando a Lauro de Freitas em 28/12/2007, após percorrer, sozinho, 5000 Km.
Depoimento de Andréa: "Inicialmente fiquei triste, e também preocupada, com a ida do Jorge sozinho, mas era um sonho; e sonhos, quando possíveis, são feitos para serem realizados; então, superei a tristeza de não poder estar junto e incetivei a realização da viagem."
Sonhos realizados, algumas viagens curtas, a maioria para comemorar datas especiais, e algumas com a participação da família, fizeram parte das aventuras deste casal, que são retratadas em imagens e muita emoção.

Aventuras de Jorge e Andréa de 2004 a 2010.



Após estas viagens, começam a pensar "GRANDE" e imaginar uma viagem para fora do país, surge então a necessidade de uma moto que atenda algumas necessidades: a V-Strom chega em 2009 para participar dos preparativos que os levarão a MACHU-PICHU.

12 de setembro de 2010

A Evolução

Depoimento Jorge: "Depois de usar a Sahara por algum tempo, ficou notório que para viagens e passeios em geral era necessário uma moto mais confortável, e assim veio a Shadow, afinal de contas, eu já tinha vontade de experimentar os modelos custons a um bom tempo. Mas depois de uma longa viagem, que será contada mais pra frente, percebemos que a Shadow não ía bem com o peso da bagagem e o banco judiava das partes baixas...
Retornei então para o estilo Trail, meu preferido pela versatilidade, e chegou então a Falcon.
Depois de alguns meses tentei novamente uma aposta no estilo custom, e comprei a Marauder. Usava a Falcom para trabalhar ou para fazer pequenos passeios dentro da cidade, onde o trânsito é mais intenso, e a Marauder era usada para viagens, pois a estrada é seu habitat natural, com certeza. Mas como manter duas motos custava muito caro, a Falcom teve de dançar...
Depois de alguns anos eu senti vontade de ter uma moto pequena e divertida novamente e foi aí que comprei minha primeira moto 0 km, a LanderX. Mas a fantástica Marauder já começava a dar sinais de cansaço, principalmente depois de uma viagem de 5.000 kms (Salvador - São Paulo - Salvador, abordada em outro post mais adiante) e eu começava a sonhar cada vez mais alto, "por que não uma viagem internacional?"
Para isso seria necessário uma moto com motor potente,  que tivesse grande autonomia e boa capacidade de carga, fosse confortável e muito segura, e é claro, muito gostosa de pilotar!
Missão impossível? Chega então minha segunda moto comprada novinha: a V-STROM!!!  e aos poucos vou equipando com tudo que ela tem direito...
Cordilheira dos Andes, lá vou eu... hehehe"

31 de agosto de 2010

Chegando à Terra de Jorge Amado

Em 2002, Jorge e Andréa se mudam para a Bahia. Em Agosto chega Jorge, vem a trabalho e com perspectiva de ficar por 2 anos. Andréa chega à terra contada por Jorge Amado em Outubro do mesmo ano. Com a mudança trazem a Sahara 350, de avião, embalada em uma caixa enorme e depois de muita confusão para despachá-la.

Em 2003, Jorge vende a moto a um amigo e no final de 2003 compra a primeira moto na Bahia, uma Shadow. Neste mesmo ano eles conhecem uma turma de amigos que deseja montar um moto clube e começam a fazer parte deste convívio, surge o Rota 99, que será retratado nos vídeos abaixo, em suas viagens, aventuras, festas e muitas alegrias.

Sonhos e Aventuras do Moto Clube Rota 99 de 2003 a 2005


Já se passaram 8 anos e eles construíram suas vidas nas terras dos Orixás, trabalham, estudam, fizeram amigos e vivem felizes e sonhando com mais aventuras...

Muitas aventuras fazem parte da convivência com o Moto Clube, aventuras que incentivaram novos sonhos que estão sendo construídos e que serão colocados em prática por este casal de aventureiros.

Sonhos e Aventuras do Moto Clube Rota 99 em 2006 e 2007


Depoimento Andréa: "Foi a realização de um sonho... desde os meus 19 anos, quando visitei Salvador pela primeira vez, sempre dizia querer morar aqui, passados 13 anos, depois de conhecer meu marido, casar, aqui chegamos, viemos para ficar um tempo e formo ficando, ficando, e estamos até hoje. O Rota 99 foi outro sonho, sempre que passeávamos em São Paulo víamos aquela galera reunida nos postos e pensávamos: Que legal, será que um dia estaremos num desses grupos?? Bem, este dia chegou e formamos uma maravilhosa família por aqui... pena que muitos voltaram para seus Estados de origem ou para outros lugares no mundo, agora ficamos em poucos, mas mantemos aceso o gosto por andar de moto e nos reunir para dar boas risadas e ter momentos maravilhos juntos".

A história do Moto Clube Rota 99 pode ser contada de diversas formas, escolhi as imagens que falam mais que palavras!

Sonhos e Aventuras do Moto Clube Rota 99 de 2008 a 2010








29 de agosto de 2010

Como tudo começou...

Jorge sempre gostou de moto, as tem desde os 18 anos, mas durante um bom tempo ficou sem pilotar.
Em 2001 resolveu comprar uma moto com o objetivo de ir trabalhar, já que perdia muito tempo no trânsito. Mas nem só de trabalho vive o homem, então passou a usá-la para PASSEAR!!! A Andréa não gostou muito no ínício, mas aderiu às aventuras. Começaram a fazer passeios para cidades próximas a São Paulo.
Em um dos vídeos veremos algumas dessas primeiras aventuras sobre duas rodas.

Depoimento Andréa: "No início fiquei com receio, sempre tive muuuiiittttooo medo de andar de moto, mas Jorge é cuidadoso, e sabe o meu limite!!! Passei a gostar destes passeios, mas muito cansativos, e com muita dor nas partes traseiras hehehehehehehehe".

Depoimento Jorge: "Já tive algumas motos pequenas aos meus 20 e poucos anos, mas depois foram substituídas pelo meu primeiro carro, que era mais confortável para namorar...   hehehe.

Vários anos se passaram e resolvi novamente comprar uma moto, a princípio sob o pretexto de ir pro trabalho driblando o trânsito caótico de SP, mas aos poucos consegui convencer a Andréa a fazer alguns passeios e pequenas viagens, e assim, aos poucos, fui contagiando ela com o vírus do motociclismo."